terça-feira, abril 06, 2010

A igreja ainda é o que era. Amen.


Fala-se de abuso de poder e atiram-se pedras à má qualidade da política ou ao carácter dúbio dos seus representantes. Desde sempre que a igreja católica, ao contrário da religião-ópio, é responsável por crimes, pecados e atrocidades. Mas a culpa deve ser do Sócrates, da Manuela Moura Guedes, do Cavaco, ou até dos professores, neste momento. Continuam os padres, cónegos, abades, monges, jesuítas e o diabo a quatro, a comerem meninos à ceia e ao pequeno-almoço e segrega-se esse repasto entre corredores vaticanos e não só. O crime não é violar meninos mas estes seduzirem os ditos senhores da igreja. Devem ser condenadas as crianças e não os padres. Esses giram de diocese, mudam de local de crime. O que é um nome, se todos usam saias e todos representam o senhor? Afinal, assediar sexualmente não é crime. Crime é abortar quando não se tem condições económicas ou psicológicas de criar um filho. E deve ser em nome da humanidade conspurcada que estes senhores que usam saias e comem meninos ás escondidas, se continuam a refastelar á sombra da sua impunidade, dentro de portas e poderes, e as iguarias cristãs vão se contabilizando pelo mundo e dioceses: eles são surdos-mudos, cegos, sedutores e pecadores, estes nossos meninos, orfãos e filhos de famílias nucleares ajustadas, havendo pra todos os gostos. E isso não será nunca pecado (verdade a doer em voz alta), pecado é homens andarem com homens e mulheres com mulheres, a droga, a violência verbal, o bullying, a prostituição, as outras religiões, etc....
Os católicos devem andar cegos, surdos e mudos. Ou então, enlouqueceram.
Que justiça de mundo é este onde os inocentes são eles próprios isco de lobo?! As igrejas continuam cheias, o rebanho continua contabilizável, o poder continua longe de mãos alheias. Amén. Assim como era antes, no princípio dos tempos...
Não se insurjam! afinal, o vosso mé será sempre necessário, na altura da grande decisão entre céu e inferno. Na contagem das almas.