sábado, setembro 02, 2006

Esqueci o meu nome

Somos parte ausência do que tocamos. Imagem do que vamos sendo, reflexos. O testemunho escrito em registo que desmente a nossa intemporalidade. Que afirma a mortalidade física e que dá consistência à Torre do Tombo. Somos um nome. E mais do que um nome, o reflexo de uma essência de tendência ao eterno retorno. Os lugares marcam-nos. Mas marcaremos nós os lugares? Da pedra que o tempo vai polindo ficam résteas dos outros, pegadas que o mar vem e apaga. Hoje sou a vaga que vem limpar o castelo de areia. Por acaso o meu. Acordo e descubro que me falta a memória do meu nome. E não me preocupo mais.

Niels Bohr

an expert is a man who has made all the mistakes which can be made in a very narrow field